Com uma periodicidade quinzenal, este clube destina-se a promover o prazer da leitura partilhada, bem como o desenvolvimento de algumas técnicas que a ajudem a pôr em prática.
Para quem gosta de ler para os outros e de ouvir ler.

próxima sessão | 8 Outubro 2013

será o tema
***ATENÇÃO***
para esta sessão todas as leituras serão de autores de língua portuguesa e apresentadas em grupo

irá ler-nos algo de um autor desconhecido para si

Língua




a Cristina começou por ler um poema de António Ramos Rosa

Eu escrevo versos ao meio-dia
e a morte ao sol é uma cabeleira
que passa em frios frescos sobre a minha cara de vivo
Estou vivo e escrevo sol

Se as minhas lágrimas e os meus dentes cantam
no vazio fresco
é porque aboli todas as mentiras
e não sou mais que este momento puro
a coincidência perfeita
no acto de escrever e sol

A vertigem única da verdade em riste
a nulidade de todas as próximas paragens
navego para o cimo
tombo na claridade simples
e os objectos atiram as suas faces
e na minha língua o sol trepida

melhor que beber vinho é mais claro
ser no olhar o próprio olhar
a maravilha é este espaço aberto
a rua
um grito
a grande toalha do silêncio verde

de "A mão de água e a mão de fogo - Antologia Poética"


a Alexandra e o Guilherme leram "A Língua do Nhem" de Cecília Meireles

Havia uma velhinha
que andava aborrecida
pois dava a sua vida
para falar com alguém.

E estava sempre em casa
a boa velhinha
resmungando sozinha:
nhem-nhem-nhem-nhem-nhem-nhem...

O gato que dormia
no canto da cozinha
escutando a velhinha,
principiou também

a miar nessa língua
e se ela resmungava,
o gatinho a acompanhava:
nhem-nhem-nhem-nhem-nhem-nhem...

Depois veio o cachorro
da casa da vizinha,
pato, cabra e galinha
de cá, de lá, de além,

e todos aprenderam
a falar noite e dia
naquela melodia
nhem-nhem-nhem-nhem-nhem-nhem...

De modo que a velhinha
que muito padecia
por não ter companhia
nem falar com ninguém,

ficou toda contente,
pois mal a boca abria
tudo lhe respondia:
nhem-nhem-nhem-nhem-nhem-nhem...

de "Ou isto ou aquilo"


a Cristina, a Fernanda, a Graciete e a Helena leram e até cantaram, "Uns vão bem outros mal" de Fausto, do disco "Madrugada dos Trapeiros"




a Antónia leu "A língua" de sua autoria


a Anabela leu-nos um excerto de "Apologia de Sócrates" de Platão


a Eugénia leu um excerto de "Meditações lusíadas" de Pinharanda Gomes


a Mila leu um excerto de "Lingua" de Caetano Veloso




o Manuel leu um excerto do "Livro do Desassossego" de Fernando Pessoa

Não tenho sentimento nenhum político ou social. Tenho, porém, num sentido, um alto sentimento patriótico. Minha pátria é a língua portuguesa. Nada me pesaria que invadissem ou tomassem Portugal, desde que não me incomodassem pessoalmente. Mas odeio, com ódio verdadeiro [...] a página mal escrita, a sintaxe errada [...] Sim, porque a ortografia também é gente. A palavra é completa vista e ouvida. E a gala da transliteração greco-romana veste-ma do seu vero manto régio, pelo qual é senhora e rainha.


a Mariana leu excertos de "Esta língua portuguesa" de José Jorge Letria


a Vitória leu um excerto de um conto de Onésimo Teotónio Almeida de "Era-lhe pátria aquela língua*" do livro "Português sem filtro"
* ensaio sobre a língua em que o autor refere este mesmo conto


o António leu

Não, não é cansaço...
É uma quantidade de desilusão
Que se me entranha na espécie de pensar,
É um domingo às avessas
Do sentimento,
Um feriado passado no abismo...

Não, cansaço não é...
É eu estar existindo
E também o mundo,
Com tudo aquilo que contém,
Com tudo aquilo que nele se desdobra
E afinal é a mesma coisa variada em cópias iguais.

Não. Cansaço porquê?
É uma sensação abstracta
Da vida concreta. -
Qualquer coisa como um grito
Por dar,
Qualquer coisa como uma angústia
Por sofrer,
Ou por sofrer completamente,
Ou por sofrer como...
Sim, ou por sofrer como...
Isso mesmo, como...

Como quê?
Se soubesse, não haveria em mim este falso cansaço.

(Ai, cegos que cantam na rua,
Que formidável realejo
Que é a guitarra de um, e a viola do outro, e a voz dela!)

Porque oiço, vejo.
Confesso: é cansaço!...

Álvaro de Campos 1931-1935


a Adília teceu considerações sobre a língua, a partir de uma crónica de valter hugo mãe na revista Visão


o Fernando leu "O sal da língua" de Eugénio de Andrade e

Conheço o sal da tua pele seca
depois que o estio se volveu inverno
da carne repousando em suor nocturno.

Conheço o sal do leite que bebemos
quando das bocas se estreitavam lábios
e o coração no sexo palpitava.

Conheço o sal dos teus cabelos negros
ou louros ou cinzentos que se enrolam
neste dormir de brilhos azulados.

Conheço o sal que resta em minha mãos
como nas praias o perfume fica
quando a maré desceu e se retrai.

Conheço o sal da tua boca, o sal
da tua língua, o sal de teus mamilos,
e o da cintura se encurvando de ancas.

A todo o sal conheço que é só teu,
ou é de mim em ti, ou é de ti em mim,
um cristalino pó de amantes enlaçados.

Jorge de Sena de Conheço o sal e outros poemas



António leu um excerto de "A invenção do dia claro" de Almada Negreiros

a Rosa trouxe-nos um autor que nunca tinha lido, Walter Riso e leu-nos um excerto do livro "Não obrigado"

a Cristina  leu "Perguntas à língua portuguesa" de Mia Couto



finalmente cantámos os parabéns à Andante que fez recentemente 14 anos e

comemos, claro!


próxima sessão | 24 setembro 2013

será o tema

irá ler-nos algo de um autor desconhecido para si

hoje o CLeVA está com o Rodolfo Castro

LER ANTES DE LER
Laboratório experimental de leitura em voz alta.

Origem e ensinamentos dos leitores da antiguidade e modernos.
Linguagem infantil e transgressão da voz. A procura da voz que não mente: Jogo, experimentação sonora, ruptura.
Compreensão leitora: reflectir, questionar, emocionar. Como sacudir o texto para o fazer produzir sons.
O corpo: A arte de falar em silêncio.

http://www.rodolfocastro.com/




e logo mais à noite (21h30) aqui no Fórum Cultural Alcochete

Espectáculo:
"Os piores contos do Mundo", contados pelo pior contador de histórias do Mundo.

Contos fora da lei, de humor branco e ironia, histórias que arrepiam e que abanam a cabeça e os ossos dos que escutam. Relatos de autores modernos e antigos que partilham o espaço comum da transgressão e da alegria. Para toda a família.




Casa

voltámos

a Cristina falou-nos sobre Dante e a sua Divina Comédia

e sobre o tema do dia:

a Mariana leu-nos "A nossa casa" de Florbela Espanca


a Cristina leu "Casamento" de Adélia Prado

Há mulheres que dizem:
Meu marido, se quiser pescar, pesque,
mas que limpe os peixes.
Eu não. A qualquer hora da noite me levanto,
ajudo a escamar, abrir, retalhar e salgar.
É tão bom, só a gente sozinhos na cozinha,
de vez em quando os cotovelos se esbarram,
ele fala coisas como "este foi difícil"
"prateou no ar dando rabanadas"
e faz o gesto com a mão.
O silêncio de quando nos vimos a primeira vez
atravessa a cozinha como um rio profundo.
Por fim, os peixes na travessa,
vamos dormir.
Coisas prateadas espocam:
somos noivo e noiva.

de Adélia Prado - Poesia Reunida


a Helena Pinto leu-nos um poema  de Manuel Carqueijeiro do seu livro "Poemas do mundo fugitivo"


a Helena Barros leu um excerto de "Casa tomada" de Rui Zink do livro "Luto pela felicidade dos portugueses"


a Marília leu-nos um excerto de "Onde moram as casas" de Carla Maia de Almeida e Alexandre Esgaio


a Cristina Paiva  leu de Herberto Helder, "Falemos de casas"

Falemos de casas, do sagaz exercício de um poder
tão firme e silencioso como só houve
no tempo mais antigo.
Estes são os arquitectos, aqueles que vão morrer,
sorrindo com ironia e doçura no fundo
de um alto segredo que os restitui à lama.
De doces mãos irreprimíveis.
- Sobre os meses, sonhando nas últimas chuvas,
as casas encontram seu inocente jeito de durar contra
a boca subtil rodeada em cima pela treva das palavras.

Digamos que descobrimos amoras, a corrente oculta
do gosto, o entusiasmo do mundo.
Descobrimos corpos de gente que se protege e sorve, e o silêncio
admirável das fontes –
pensamentos nas pedras de alguma coisa celeste
como fogo exemplar.
Digamos que dormimos nas casas, e vemos as musas
um pouco inclinadas para nós como estreitas e erguidas flores
tenebrosas, e temos memória
e absorvente melancolia
e atenção às portas sobre a extinção dos dias altos.

Estas são as casas. E se vamos morrer nós mesmos,
espantamo-nos um pouco, e muito, com tais arquitectos
que não viram as torrentes infindáveis
das rosas, ou as águas permanentes,
ou um sinal de eternidade espalhado nos corações
rápidos.
- Que fizeram estes arquitectos destas casas, eles que vagabundearam
pelos muitos sentidos dos meses,
dizendo: aqui fica uma casa, aqui outra, aqui outra,
para que se faça uma ordem, uma duração,
uma beleza contra a força divina?

Alguém trouxera cavalos, descendo os caminhos da montanha.
Alguém viera do mar.
Alguém chegara do estrangeiro, coberto de pó.
Alguém lera livros, poemas, profecias, mandamentos,
inspirações.
- Estas casas serão destruídas.
Como um girassol, elaborado para a bebedeira, insistente
no seu casamento solar, assim
se esgotará cada casa, esbulhada de um fogo,
vergando a demorada cabeça para os rios misteriosos
da terra
onde os próprios arquitectos se desfazem com suas mãos
múltiplas, as caras ardendo nas velozes
iluminações.

Falemos de casas. É verão, outono,
nome profuso entre as paisagens inclinadas
Traziam o sal, os construtores
da alma, comportavam em si
restituidores deslumbramentos em presença da suspensão
de animais e estrelas,
imaginavam bem a pureza com homens e mulheres
ao lado uns dos outros, sorrindo enigmaticamente,
tocando uns nos outros –
comovidos, difíceis, dadivosos,
ardendo devagar.

Só um instante em cada primavera se encontravam
com o junquilho original,
arrefeciam o resto do ano, eram breves os mestres
da inspiração.
- E as casas levantavam-se
sobre as águas ao comprido do céu.
Mas casas, arquitectos, encantadas trocas de carne
doce e obsessiva - tudo isso
está longe da canção que era preciso escrever.        

- E de tudo os espelhos são a invenção mais impura.

Falemos de casas, da morte. Casas são rosas
Para cheirar muito cedo, ou à noite, quando a esperança
Nos abandona para sempre.
Casas são rios diuturnos, nocturnos rios
Celestes que fulguram lentamente
Até uma baía fria – que talvez não exista,
como uma secreta eternidade.

Falemos de casas como quem fala da sua alma,
Entre um incêndio,
Junto ao modelo das searas,
na aprendizagem da paciência de vê-las erguer
e morrer com um pouco, um pouco
de beleza.

de "Ou o poema contínuo"


o Fernando leu "Como se desenha uma casa" de Manuel António Pina de "Como se desenha uma casa"




a Antónia apresentou-nos uma versão sua sobre as casas


a Ana Maria leu-nos "A casa" de Nuno Cardoso Dias

Quando as paredes lhe devolveram
o gelo do seu olhar
soube que a casa ainda não era casa
e que nas suas paredes não estavam ainda inscritas
as metáforas do seu cansaço,
do quotidiano que os traía
à comunhão das coisas pequenas.

Faltava ainda
que ardessem como incenso,
as folhas do seu Outono,
que as imagens e os sonhos lhes caíssem das mãos
e as deixassem nuas
para serem dadas.

Faltava-lhes ainda, ao abrir da porta,
ver os seus cheiros fundidos
como pegadas intangíveis
sussurradas, voláteis.

Faltava ainda o eco das palavras
e dos silêncios que trocavam,
de todos os significados
que deixavam ao acaso
como se fossem segredos,
segredos pequeninos,
espalhados pela casa
à espera que o outro os lesse.

Faltavam ainda as roupas de ambos
sobre a cadeira, à espera
que acordassem do mesmo sono.


a Isabel leu "Rua de todos os sonhos" de Maria Helena Soares Reis Horta


a Anabela, a Alexandra e a Cíntia leram-nos "As casas" de Ruy Belo

Oh as casas as casas as casas
as casas nascem vivem e morrem
Enquanto vivas distinguem-se umas das outras
distinguem-se designadamente pelo cheiro
variam até de sala pra sala
As casas que eu fazia em pequeno
onde estarei eu hoje em pequeno?
Onde estarei aliás eu dos versos daqui a pouco?
Terei eu casa onde reter tudo isto
ou serei sempre somente esta instabilidade?
As casas essas parecem estáveis
mas são tão frágeis as pobres casas
Oh as casas as casas as casas
mudas testemunhas da vida
elas morrem não só ao ser demolidas
Elas morrem com a morte das pessoas
As casas de fora olham-nos pelas janelas
Não sabem nada de casas os construtores
os senhorios os procuradores
Os ricos vivem nos seus palácios
mas a casa dos pobres é todo o mundo
os pobres sim têm o conhecimento das casas
os pobres esses conhecem tudo
Eu amei as casas os recantos das casas
Visitei casas apalpei casas
Só as casas explicam que exista
uma palavra como intimidade
Sem casas não haveria ruas
as ruas onde passamos pelos outros
mas passamos principalmente por nós
Na casa nasci e hei-de morrer
na casa sofri convivi amei
na casa atravessei as estações
Respirei – ó vida simples problema de respiração
Oh as casas as casas as casas

de Todos os poemas